Novidades no tratamento

O reconhecimento das amígdalas como órgão linfoepitelial e com evidente função imunológica e de defesa e que, em princípio, deve ser preservado, levou a empresa Halitus à procura de um método conservador, através da diminuição ou inibição no desenvolvimento dos cáseos e consequente manutenção das amígdalas, propondo assim um método simples, barato e que pode ser realizado pelo próprio portador dos cáseos, até mesmo em sua casa para a prevenção e controle da formação dos cáseos amigdalianos.

Diante dessa constatação foi desenvolvido o Enxaguatório Halitus, que tem como importância fundamental evitar a cirurgia das amígdalas devido à formação de cáseos amigdalianos.

Características do Enxaguatório Halitus

Enxaguatório Halitus

Os produtos utilizados para bochecho e gargarejo na cavidade bucal normalmente utilizam álcool em sua formulação, desidratando e ressecando a mucosa bucal, aumentando a descamação de células e consequentemente, aumentando a formação de saburra lingual e de cáseos amigdalianos, pois as bactérias proteolíticas irão degradar essas células descamadas, dando origem aos compostos sulfurados voláteis (CSVs), principais gases responsáveis pelo mau hálito.

Desta forma, uma característica importante do Enxaguatório Halitus é não conter álcool. Além disso, ele conta com a presença de agentes oxigenantes que atuarão inibindo a formação dos cáseos por oxigenar periodicamente as criptas amigdalianas (cavidades localizadas na amígdalas) e de um agente antimicrobiano, para diminuir a população de bactérias presente nos locais formadores dos cáseos.

O Enxaguatório Halitus foi desenvolvido em um projeto com a Propeq, empresa júnior da Faculdade de Engenharia Química da Unicamp, e entrou no mercado em Outubro de 2009, através de vendas pela Internet no site www.halitofresco.com.br e até o final de 2011 deverá chegar aos pontos de venda em todo o Brasil. 

Em um estudo sobre o Enxaguatório Halitus realizado com 50 pacientes, publicado na Revista Brasileira de Otorrinolaringologia em Março de 2008, foi comprovada a sua ação na diminuição da formação dos cáseos amigdalianos, na formação da saburra lingual e na concentração dos sulfurados voláteis - CSVs – principais gases responsáveis pelo mau hálito, que causam a alteração no odor do hálito.

É muito importante ressaltar que o mero uso de produtos para o mau hálito pode resolver com eficiência o problema do hálito em si, mas é importante saber o que existe por trás da alteração do mesmo. Por isso, uma consulta a uma clínica especializada ou profissional capacitado no tratamento da Halitose deve ser realizada para que as causas primárias de formação dos cáseos também sejam tratadas.

Entretanto, o uso de produtos pode ser adequado para quem não tiver condições de ter acesso a um tratamento.

Os usuários do Enxaguatório Halitus têm relatado que além dos benefícios com relação aos cáseos, à diminuição na formação de saburra lingual e nos gases responsáveis pela alteração no odor do hálito, que o Enxaguatório Halitus também produz um alívio nas dores de garganta, diminuindo sua duração e dificultando novas ocorrências.

Como o Enxaguatório Halitus funciona melhor

Ao associar o uso do Enxaguatório Halitus para o controle dos cáseos com a correta e eficiente limpeza da língua, utilizando o Limpador de língua com cerdas em associação ao Spray para limpeza da língua Halitus, através dos Kits de Produtos Halitus, os resultados no controle dos cáseos serão elevados ao máximo, pois ao controlar adequadamente a formação de saburra lingual, automaticamente diminuirá a frequência de aparição dos cáseos amigdalianos, por diminuir a quantidade de bactérias responsáveis por sua formação, pelo fato das causas e constituição de ambos serem similares.

Clique no vídeo abaixo e conheça a Técnica DC de Limpeza da Língua, realizada com os Produtos Halitus, e que foi desenvolvida pelo Dr. Maurício Duarte da Conceição, Dentista pós graduado no tratamento do mau hálito, com mais de 4.000 tratamentos (www.clinicahalitus.com.br) e que foi apresentada no Congresso Mundial de Halitose (Breath 2009), em Dortmund, Alemanha.

Resultados esperados com o Enxaguatório Halitus:

  • Quando o cáseo é expelido espontaneamente, tossindo ou espirrando, o prognóstico do uso do enxaguatório é excelente;
  • Quando as amígdalas têm de sempre serem espremidas ou cutucadas para o cáseo sair, o resultado esperado é inferior ao mencionado acima, mas os resultados, ainda assim, podem ser excelentes.

Ou seja, quanto mais as características anatômicas das amígdalas favorecerem que o Enxaguatório Halitus possa entrar nas criptas amigdalianas, muito melhor será o resultado esperado no controle na formação dos cáseos.

Concluindo: o tratamento conservador, com a utilização do Enxaguatório Halitus, sempre deve ser tentado antes fazer uma cirurgia conservadora das amígdalas (criptólise a laser), que ocorre em pouco mais de 1% dos casos (de acordo com as estatísticas da utilização dos produtos na Clínica Halitus, seguindo o guia de utilização que acompanha o produto).

Não recomendamos a extração das amígdalas, exceto em casos de infecções frequentes com febre (várias vezes ao ano). Além disso, por traz das infecções das amígdalas, pode estar presente uma diminuição da produção de saliva, que deve ser checada.

Limites do Enxaguatório Halitus

Em uma pequena porcentagem dos casos, ainda que os produtos para limpeza da língua e o Enxaguatório Halitus estejam sendo utilizados corretamente, os resultados podem não ser de 100%, com os cáseos ainda se formando, mas normalmente em uma frequência menor.

Os 02 fatores que irão influenciar a formação dos cáseos amigdalianos são o grau de severidade da amigdalite ou tonsilite caseosa e as características anatômicas das amígdalas, que pode dificultar ou impedir que o Enxaguatório Halitus possa entrar nas criptas amigdalianas, inibindo a formação dos cáseos.

Veja abaixo 02 vídeos com diferentes graus de severidade na formação dos cáseos. No caso leve, o Enxaguatório Halitus deve ser aproximadamente 100% eficiente. Já no caso severo, o resultado esperado é pior, ainda que o uso do enxaguatório deva ser tentado antes de opção cirúrgica das amígdalas.

Amigdalite caseosa leve

Amigdalite crônica caseosa severa

Apesar de ainda se formarem, costumam ser menores, mais claros e com odor menos desagradável. Nestes casos, sugerimos que o usuário do produto entre em contato com a empresa Halitus ou busque fazer o Tratamento da Halitose em uma clínica especializada ou com um profissional capacitado, para que as causas de formação dos cáseos amigdalianos também sejam tratadas.

As pesquisas e técnicas, envolvendo os produtos para o controle e tratamento da halitose mencionadas neste site foram publicadas em Revistas médico-odontológicas brasileiras de renome, tendo sido apresentadas pelo Dr. Maurício Duarte da Conceição e Dra. Luciana Sassa Marocchio, na Conferência Mundial de Halitose em Abril de 2009, em Dortmund, na Alemanha, promovida pela ISBOR – Sociedade Internacional para Pesquisa dos Odores da Respiração.

Publicado em: 15/10/2009

Autor: Dr. Maurício Duarte da Conceição

Fonte: Cáseos amigdalianos

Últimas Notícias

Nenhuma notícia publicada.

Newsletter


Cadastre-se em nosso site para receber nossas novidades em seu e-mail.

Entre em contato


Entre em contato
  • Cáseos Amigdalianos - Twitter

    Siga-nos no Twitter.

  • Cáseos Amigdalianos - Facebook

    Curta nossa página
    no Facebook.

©Copyright 2014 - Todos os direitos reservados.
Trimbo Marketing